Segundo Anistia, força policial brasileira é que mais mata no mundo

Levantamento feito pela Anistia Internacional apontam que a força policial brasileira é a que mais mata no mundo. Junto ao Brasil, figura ainda os Estados Unidos: a corporação americana é considerada uma das três mais violentas. A pesquisa se concentrou na Zona Norte do Rio de Janeiro, que inclui a Favela de Acari.

Segundo a Globo News, de acordo com o relatório, divulgado nesta segunda-feira (7), Brasil é o país com maior número de homicídios no mundo inteiro: em 2012, foram 56 mil assassinatos. Em 2014, 15,6% dos homicídios envolviam a força policial.

O relatório faz ainda uma crítica: os policiais atiram em pessoas já rendidas, feridas e sem uma advertência que permita ao suspeito se entregar. As maiores vítimas, aponta a pesquisa, são os homens (99,5%). O estudo diz ainda que 80% das pessoas mortas eram negras e 75% com idades entre 15 e 29 anos.

Regiões

O número de homicídios registrado no Brasil é considerado epidêmico pela Organização Mundial da Saúde. E a maioria das mortes é registrada em grandes cidades. Os estados com mais mortes por assassinatos são: Alagoas (63,3 casos por 100 mil habitantes), Espírito Santo (47,3) e Ceará (44,6). Atrás deles, vem Goiás (44,3), Bahia (41,9), Sergipe (41,8), Pará (41,7) e Paraíba com 40,1 homicídios por 100 mil habitantes.

Punição

Segundo a Anistia, boa parte dos policiais não é punido pelos homicídios. Das 220 investigações acompanhadas pelo órgão em quatro anos, sobre mortes causadas por polícias, apenas uma teve desfecho com o policial sendo acusado pela Justiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carla Machado

Carla Machado

Jornalista com experiência em assessoria de imprensa, onde trabalhou na produção de conteúdo interno e externo e no atendimento à imprensa, e em jornal, revista e site, nos quais foi repórter. No dia 22 de maio de 2014, recebeu o prêmio Paulo Octavio de Jornalismo, pela categoria Melhor Série de Reportagem, com a série #Brasíliaquerandar, do Jornal de Brasília.