Seis anos depois, discurso de Lula muda e agora rebaixamento de agência “não significa nada”

Em 2008, quando o Brasil entrou para o seleto grupo da agência Standard & Poor’s, Lula comemorou. “O Brasil foi declarado um país sério, que tem políticas sérias, que cuida das suas finanças com seriedade e, que por isso, passamos a ser merecedores de uma confiança internacional que há muito tempo o Brasil necessitava”, disse na época. Agora, no entanto, quando S&P rebaixou a nota de crédito do país, o ex-presidente afirmou que “isso não significa nada”. Pelo contrário, destacou, “significa que apenas a gente não pode fazer o que eles querem”.

As declarações foram feitas no 3º Congresso Internacional de Responsabilidade Social, em Buenos Aires. No encontro, ex-presidente criticou as agências de risco, justificando que elas usam critérios diferentes para o que chamou de “os países quebrados da Europa”. Segundo o jornal O Globo, Lula disse ainda que “é engraçado, como é que eles têm facilidade para tomar medidas quando a dor de barriga é na América Latina”.

Para tentar amenizar ainda mais a situação, o ex-presidente pediu tranquilidade à audiência argentina em relação à crise econômica mundial. Para ele, “neste momento é importante a gente ter em conta que não existe mágica, existem decisões a ser tomadas… os empresários devem ser convidados, os trabalhadores devem ser convidados”.

Alfinetadas

Ainda segundo o jornal O Globo, Lula não deixou passar também durante o seu discurso as possíveis medidas apontadas pelo Governo Federal para solucionar a crise. “A mim me assusta muito a visão de todos aqueles que , no primeiro sintoma de uma crise, começam a falar em ajuste e ajuste significa corte de salários, significa corte de emprego, significa você voltar ao patamar de miséria que você estava para você recuperar a economia”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carla Machado

Carla Machado

Jornalista com experiência em assessoria de imprensa, onde trabalhou na produção de conteúdo interno e externo e no atendimento à imprensa, e em jornal, revista e site, nos quais foi repórter. No dia 22 de maio de 2014, recebeu o prêmio Paulo Octavio de Jornalismo, pela categoria Melhor Série de Reportagem, com a série #Brasíliaquerandar, do Jornal de Brasília.