Saúde pede socorro, aponta pesquisa

Para os brasileiros, a saúde é a área que o governo deve priorizar. A conclusão é de uma pesquisa realizada em todo o país, encomendada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). De acordo com o levantamento, 43% dos entrevistados destacaram a saúde como o tema que merece maior preocupação, seguido por educação, com 27%, e combate à corrupção, com 10%.

Ainda que significativos, os números apontam houve uma queda em relação à pesquisa realizada ano passado. Em 2014, 57% avaliaram que a saúde era a área que merecia maior atenção.

“Acreditamos que a redução não esteja ligada à melhora nas condições de atendimento e infraestrutura de saúde, mas, sim, a problemas que se tornaram mais agudos nas outras áreas, ligados, por exemplo, ao Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) e à corrupção”, apontou o presidente do CFM, Carlos Vital.

Sistema Único de Saúde

O tempo de espera nas unidades do SUS (Sistema Único de Saúde) foi um dos destaques no levantamento. De acordo com a pesquisa, um quarto dos entrevistados aguardava mais de 12 meses para serem atendido. Do total, 16% das pessoas disseram esperar entre 6 e 12 meses e 39%, de um a seis meses. E quando se trata de procedimentos complexos, a demora é ainda maior. Para fazer cirurgias, por exemplo, 44% disseram aguardar mais de 12 meses. “É um tempo inadmissível”, criticou Vital.

Não é por acaso que a maior crítica feita ao SUS é a espera, com 36%, seguida por falta de médicos, com 19% e a falta de estrutura dos hospitais, 15%. Para 56% dos usuários, o SUS não recebe nota maior do que 6 para o atendimento.

Ainda segundo os dados, 63% dos entrevistados afirmaram que difícil e muito difícil o acesso a cirurgias. Já 59% consideram difícil e muito difícil o acesso a consultas com médicos.

A pesquisa encomendada pelo CFM foi realizada pelo Instituto DataFolha. Foram ouvidos 2.069 brasileiros em todo o país com 16 anos ou mais, entre os dias 10 e 12 de agosto.

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *