Estatais terão de prestar esclarecimentos ao Ministério da Transparência

Algumas estatais serão notificadas pelo Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle para prestarem esclarecimentos sobre contratos firmados para terceirização de serviços jurídicos, cujos valores chegam a R$ 2,2 bilhões. Ao todo, 24 empresas precisarão prestar contas, como Petrobras, Banco Nacional do Desenvolvimento — BNDES, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, BR Distribuidora, Eletrobras, Telebras, Infraero e Embrapa.

Os atuais gestores jurídicos terão 15 dias para responder perguntas sobre os critérios dos editais. Também serão questionados sobre se há remuneração mesmo sem a produção de peças e sobre a composição do departamento jurídico de cada estatal. Os contratos vencem neste ano e foram feitos nos governos da presidente Dilma Rousseff. Serviços de advocacia e consultoria teriam sido contratados por inexigibilidade ou dispensa de licitação.

Lei de Responsabilidade das Estatais

Segundo o advogado e professor de Direito Administrativo Murilo Jacoby Fernandes, em 2015, o Governo Federal publicou uma resolução que determina a obrigatoriedade de divulgação, com acesso fácil e organizado, de uma série de informações básicas nos sites oficiais de empresas estatais.

“Segundo a resolução, as entidades devem divulgar, na internet, informações como: estatuto social; código de ética; composição do capital social, da diretoria executiva e dos conselhos de administração e fiscal; demonstrações financeiras trimestrais e anuais, acompanhadas de pareceres do conselho fiscal e da auditoria independente; relatório anual da administração; entre outras”, observa.

Ainda, com a Lei nº 13.303/2016, conhecida como Lei de Responsabilidade das Estatais, foi estabelecido o estatuto jurídico das empresas públicas, sociedades de economia mista e de suas subsidiárias.

“A norma recebeu grande atenção ao regulamentar as licitações e contratações das estatais, mas trouxe pequenas inovações, pois a maior parte dos dispositivos consiste em melhorias de interpretação, em conformidade com a doutrina e jurisprudência já existentes. Apesar do avanço, muita coisa ainda necessita ser melhorada, inclusive em relação ao processo de licitação”, ressalta Murilo Jacoby Fernandes.

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *