Deputados votarão permissão de assinatura eletrônica em propostas de iniciativa popular

O Plenário da Câmara dos Deputados pode votar na terça-feira, 13, uma proposta que permite a coleta de assinaturas eletrônicas de eleitores para a apresentação de projetos de lei de iniciativa popular. Trata-se do Projeto de Lei nº 7005/2013, do Senado Federal. Atualmente, somente é permitida a coleta de assinaturas manuscritas. Os parlamentares deverão analisar o relatório a ser apresentado pelo deputado Vicente Candido (PT/SP).

Na última terça-feira, 06, os deputados retiraram a proposta de pauta devido à polêmica em torno de emenda apresentada pela deputada Renata Abreu (Podemos/SP), que propõe a abertura de nova janela de troca partidária sem punição de perda do mandato, desta vez para os vereadores.

O PL nº 7005/2013 não apresenta detalhes de como funcionaria o novo mecanismo de coleta de assinaturas. Atualmente, atendida a exigência constitucional, o projeto deve ser protocolizado junto à Secretaria-Geral da Mesa, obedecendo ao disposto no art. 252 do Regimento Interno da Câmara dos Deputados. A Câmara possui um formulário padronizado para a coleta das assinaturas físicas, que deve ser anexada junto da proposta.

Conforme o advogado e professor de Direito Jorge Ulisses Jacoby Fernandes, de acordo com a Constituição Federal, a sociedade pode apresentar um projeto de lei à Câmara dos Deputados, desde que a proposta seja assinada por 1% do eleitorado nacional, de pelo menos cinco estados brasileiros, com, no mínimo, três décimos por cento dos eleitores em cada.

Processo menos burocrático

Assim, segundo o professor, a permissão de coleta de assinaturas eletrônicas certamente facilitaria a apresentação de propostas.

“Hoje é bastante difícil conseguir cumprir o disposto constitucional, já que é necessário elevado grau de articulação e uma logística integrada em diversos estados para a coleta de assinaturas”, explica.

Para Jacoby, é necessária, contudo, a criação de dispositivos de segurança digital para garantir a integridade e a veracidade das informações.

“Não se trata de burocratizar, mas de acautelar-se para evitar que esse instrumento de participação popular seja utilizado para fins escusos. E devemos pensar também em que ficaria responsável por isto? De onde viria o orçamento para desenvolver e manter uma base de dados? Tudo deve ser levado em conta pelos deputados no momento de análise da proposta”, destaca Jacoby Fernandes.

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *