Projeto obriga servidor que estuda a comprovar frequência em aulas

O servidor público que seja estudante poderá ter de comprovar frequência em aulas para ter direito à concessão de horário especial. É isso o que dispõe o Projeto de Lei nº 9374/2017, do Senado Federal, que tramita na Câmara dos Deputados. A proposta acrescenta dispositivos ao Regime Jurídico dos Servidores Públicos – Lei nº 8.112/1990 –, que estabelece a concessão de carga horária diferenciada ao servidor estudante, quando comprovada a incompatibilidade entre o horário escolar e o da repartição, sem prejuízo do exercício do cargo.

O objetivo do texto, segundo o autor, senador Acir Gurgacz (PDT/RO), é evitar que servidores se valham do benefício sem o devido aproveitamento. A lei atual exige a compensação de horário das aulas, respeitada a carga semanal do trabalho, mas, de acordo com o autor, não exige a comprovação de frequência às atividades escolares.

A proposta estabelece também que a instituição de ensino onde o servidor estude esteja em situação de regularidade perante a autoridade competente do respectivo sistema de ensino. Cumpridas essas exigências, a concessão de horário especial ao servidor estudante não poderá acarretar prejuízo à remuneração do servidor nem à sua promoção na carreira.

A proposta será analisada, em caráter conclusivo, pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Desse modo, de acordo com o advogado e professor de Direito Jorge Ulisses Jacoby Fernandes, mesmo sem a exigência formal e explícita, alguns servidores já tinham a boa prática de comprovar a frequência às aulas.

“É justo que haja essa prestação de contas, afinal trata-se de um benefício que somará para a carreira do próprio servidor. A legislação já exige que seja feita a compensação dos horários não trabalhados, então, salvo motivo superveniente e plenamente aceitável, não há razão para o servidor deixar de frequentar as aulas – se o fizer, o principal prejudicado é ele próprio”, afirma.

Para o professor, uma qualificação complementar pode render bons frutos para o servidor.

“Tanto do ponto de vista funcional, com mais segurança e possibilidades de progressão na carreira, quanto do financeiro, já que especializações, mestrados e doutorados geram gratificações adicionais para os proventos percebidos”, explica Jacoby Fernandes.

Afastamento de servidor

De acordo com o advogado e professor de Direito Jorge Ulisses Jacoby Fernandes, a Lei nº 8.112/1990 estabelece, em seus arts. 95 e 96-A, que todos os servidores terão a oportunidade de se afastar das suas atividades rotineiras no órgão ou entidade para estudar no País ou no exterior.

“O afastamento do servidor será concedido de acordo com a conveniência e a oportunidade da Administração Pública. Com isso, o servidor que utiliza os recursos públicos deve prestar contas, mesmo sendo o gasto cometido para obter conhecimento. Para entender melhor, sugiro ao leitor que assista ao meu vídeo sobre ressarcimento ao erário por bolsista”, esclarece Jacoby Fernandes.

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *