No vácuo deixado por Dilma, Renan fala à TV Senado e lança pacto pelo emprego

Para preencher o vazio deixado pela ausência da presidente Dilma, que desistiu de fazer o tradicional pronunciamento do Presidente da República, no 1º de maio, que marca o Dia do Trabalhador, o presidente do Senado, Renan Calheiros, foi à TV Senado para reafirmar sua proposta de se instalar no país um “pacto pela defesa do emprego” e chamou de “desajuste” o programa de ajuste fiscal do governo. Renan destacou que “o Congresso Nacional estará sempre ao lado dos trabalhadores e contra todos aqueles – que venham de onde vierem – tentarem impor aos trabalhadores, aos mais pobres, sacrifícios, sobretudo neste momento em que a economia não vai bem”. Veja também acessando: www.youtube.com/watch?v=5ubFQe-x60.
Renan que no dia anterior, 30, já havia definido como “ridículo”, o fato da presidente Dilma ter cancelado seu pronunciamento no Dia do Trabalhador, talvez, por não ter o que dizer, condenou “a paralisia do governo, a falta de iniciativa e o vazio”, mostrou que “o Congresso não será um mero expectador do ajuste fiscal”. A presidente Dilma preferiu ocupar as mídias sociais para divulgar sua mensagem de 1º de maio por achar que estaria blindada no caso de eventuais protestos populares, a exemplo do “panelaço” que lhe foi dirigido, no dia 8 de março, enquanto falava em cadeia nacional de rádio e TV em comemoração ao Dia da Mulher.
PACTO TEMPORÁRIO
Para Renan Calheiros o “ajuste que penaliza o trabalhador é desajuste” e justificou: “Antes de ajustar as contas públicas, desajusta o equilíbrio social, sem o qual nenhuma economia sobreviverá”. Renan enfatiza que “ajuste digno deste nome, é o que aumenta a eficiência, é que melhora a qualidade dos serviços públicos, é o que combate o desperdício. Tudo isso antes de recorrer ao inapropriado aumento de impostos que sobrecarrega o já pesado fardo dos contribuintes, das tarifas públicas ou dos juros”.
O pacto pela defesa do emprego, lançado por Renan Calheiros, “tem por objetivo aumentar as compras governamentais das empresas que criarem mais empregos; outra iniciativa seria os bancos públicos ofereceram mais créditos com juros menores àqueles setores que aumentarem a oferta de emprego”.
“Por que não desonerar, e essa seria outra possibilidade, de maneira definitiva e criteriosa, como consequência de uma política industrial, as atividades que gerem mais empregos, mantendo parte da desoneração da folha de pagamentos?” – questionou Renan Calheiros.
– É preciso ter meta fiscal. É preciso ter meta inflacionária. Mas devemos definir, com igual rigor, a meta de empregos, ainda mais durante o ajuste e a recessão da economia, disse Renan. E completou: “Os trabalhadores brasileiros podem ter certeza que o Congresso Nacional não fará o ajuste a qualquer preço. Nós zelaremos sempre pela distribuição dos sacrifícios até que o Brasil retome o caminho o caminho do crescimento e volte a gerar empregos”.
Por isso, Renan enfatizou que o “pacto é temporário, transitório, com hora para acabar. Só permanecerá enquanto durar a recessão, até o que o Brasil volte a crescer”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • 03/05/2015 a 08:08
    Permalink

    o brasil de fato esta na contra mao da historia. nao podemos deixar de dizer q o governo vem fazendo algumas intervençoes na economia, como por exemplo, baixar IPI de produtos denominados como linhas veicular, linha branca, mt de construçao e etc. tentativa valida para aquele momento, porem nao se previniu contra as despesas volumosas com a maquina administrativa.portanto o efeito nao foi o q se esperava. O que nao dá é ver o presidente do Senado, que é acusado de envolvimento no esquema petrobras vir falar da pessima presidente que elegemos, hajavista que esse senador renunciou ao cargo na gestao passada pra nao ser caçado. acorda brasileiros. como podemos conviver com isso. o sujo falando do mal lavado.fora bandidos que enganam os bobos da corte. Esse senador junto com o presidente do congresso nacional querem desestabilizar nossa naçao. vamos proteger a nossa liberdade democratica de direito. fora Renan e Eduardo cunha, que se aproveitam do momento pra se promoverem. vai levar pau na Lava Jato. Todos os dois presidentes conspiram contra a presidenta. Bandidos do colarinho branco

    Responder
  • 02/05/2015 a 05:18
    Permalink

    Como brasileiro e tendo em vista a reputação da maioria dos políticos e autoridades desse país onde permeia a discórdia, a desarmonia e conflito entre os poderes e dentro de cada poder constituído, não há como confiar no discurso das autoridades! É lastimável é triste viver num país que perdeu o senso de ética e pudor! Estou truste é derrotado !

    Responder
Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.