Nova CPMF volta a ser considerada

Já no início da próxima semana, o Governo Federal deve anunciar os cortes em sua máquina. Depois disso, informa o jornal O Globo, é provável que venham os “remédios amargos”, anunciados pela própria presidente Dilma Rousseff. Ou seja, novos impostos à população. Um deles, inclusive, pode ter os mesmos moldes da descartada CPMF.

Para a equipe econômica da presidente, essa seria a melhor saída para cobrir o rombo de R$ 30,5 bilhões no Orçamento de 2016.  Em relação aos cortes na própria máquina, a ideia é começar pela revisão de programas e benefícios sociais.

No Ministério da Fazenda, levantamentos apontam que com a correção do auxílio-doença e a aposentadoria por invalidez, por exemplo, a economia anual seria de R$ 24 bilhões.

“O governo vai fazer um gesto, com o corte de gastos de sua máquina, para abrir caminho para o início das negociações com o Congresso e com a sociedade em busca de fontes de receita”, afirmou um auxiliar de Dilma.

Simulações

Ainda segundo o jornal O Globo, há duas frentes possíveis sendo estudadas. A primeira é uma tributação pulverizada por meio de diversos impostos, como Cide, Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).  A segunda, e aparentemente mais aceita dentro do Palácio do Planalto, é a criação de um tributo só que cubra todo o rombo.

No Ministério da Fazenda, já estariam, inclusive, circulando simulações da nova CPMF, com prazo de vigência entre dois e quatro anos.

“O desejo continua, pois a CPMF seria tributação mais indolor para a sociedade. Não onera um setor especificamente, tem alíquota pequena e dá a maior arrecadação, além de ajudar na fiscalização”, teria dito uma fonte ao jornal.

Superação

Nesta sexta-feira (11), em Teresina, a presidente Dilma voltou a dizer que o Brasil vai superar todas as dificuldades. “Vamos superar as dificuldades porque somos capazes. O Brasil tem uma imensa força porque somos a sétima economia do mundo; segundo, porque temos condições, temos uma estrutura forte, uma indústria forte, e, nos últimos 13 anos, nós mudamos bastante o Brasil”, salientou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carla Machado

Carla Machado

Jornalista com experiência em assessoria de imprensa, onde trabalhou na produção de conteúdo interno e externo e no atendimento à imprensa, e em jornal, revista e site, nos quais foi repórter. No dia 22 de maio de 2014, recebeu o prêmio Paulo Octavio de Jornalismo, pela categoria Melhor Série de Reportagem, com a série #Brasíliaquerandar, do Jornal de Brasília.