Sai Dilma, entra Temer

Por 55 votos a favor e 22 contra, após mais de 20 horas, o Senado aceitou, no início da manhã desta quinta-feira (12), o pedido de abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). A petista deixa a Presidência um ano e quatro meses depois de assumir seu segundo mandato. Agora, quem assume interinamente a presidência do país é o vice-presidente Michel Temer (PMDB). Dilma assina um documento e, a partir daí, será obrigada a deixar o Planalto.

Dilma Rousseff deve se afastar do cargo por até 180 dias após ser notificada da decisão do Senado, o que deve ocorrer ainda na manhã desta quinta-feira (12). Já o processo no Senado, no entanto, pode terminar antes dos seis meses. Se considerada culpada, a petista sai do cargo definitivamente e perde os direitos políticos por oito anos (não pode se candidatar a nenhum cargo). Diante desse possível cenário, Temer será o presidente até o fim de 2018.

Entenda

Para que o processo de afastamento da presidente fosse instaurado, eram necessários 41 votos (maioria simples) favoráveis. O resultado dessa quinta atingiu os 54 votos (2/3 do Senado). Alguns senadores, contudo, disseram que estavam votando apenas pela abertura do processo, mas sem posição sobre o julgamento final.

Após 24 anos, esta é a segunda vez em 24 anos que um presidente da República é afastado temporariamente para julgamento. O primeiro foi o atual senador Fernando Collor de Mello, em 1992. Na época, ele filiado ao PRN. Collor deixou o cargo antes de ser julgado. Ainda assim, ficou sem direitos políticos por oito anos. Em 2014, argumentando falta de provas, o STF (Supremo Tribunal Federal) o absolveu.

Futuro

O senador Romero Jucá (PMDB-RR), um dos principais aliados e provável ministro no governo Temer, contou que Dilma deve ser notificada da decisão do Senado às 10h desta quinta-feira (12). Já Temer será avisado de seu novo cargo às 11h.

Os novos ministros do governo Temer devem assumir os cargos já na tarde desta quinta-feira, adiantou Jucá. “Não há vazio de poder”, disse o senador, que pode assumir o ministério do Planejamento. 

Com o andamento do processo de impeachment, discussão e análise da denúncia contra Dilma serão analisadas. Haverá, portanto, exposições da acusação e da defesa. Nesta fase, a ação caminha sob o comando do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Ricardo Lewandowski.

O processo será concluído com o julgamento dos senadores, em votação nominal e aberta no plenário. Dilma será afastada definitivamente da Presidência se dois terços do Senado (54 dos 81 senadores) avaliarem que ela cometeu crime.

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *