Analise de Jaques Reolon sobre o direito ao asilo inviolável

A Presidência da República adotou a Medida Provisória nº 712/2016, que dispõe sobre a adoção de medidas de vigilância em saúde quando verificada situação de iminente perigo à saúde pública pela presença do mosquito transmissor do vírus da Dengue, da Chikungunya e da Zika. Nesses casos, a autoridade máxima do Sistema Único de Saúde – SUS fica autorizada a determinar e executar as medidas necessárias ao controle das doenças causadas pelos vírus.

Entre as medidas que podem ser determinadas e executadas para a contenção das doenças causadas pelos vírus, destacam-se a realização de visitas a imóveis públicos e particulares para eliminação do mosquito e de seus criadouros em área identificada como potencial possuidora de focos transmissores; a realização de campanhas educativas e de orientação à população; e o ingresso forçado em imóveis públicos e particulares, no caso de situação de abandono ou de ausência de pessoa que possa permitir o acesso de agente público, regularmente designado e identificado, quando se mostre essencial para a contenção das doenças.

Nos casos em que houver a necessidade de ingresso forçado em imóveis públicos e particulares, o agente público competente emitirá relatório circunstanciado no local em que for verificada a impossibilidade de entrada por abandono ou ausência de pessoa que possa permitir o acesso de agente público. Quando for necessário, o agente público poderá requerer auxílio à autoridade policial.

Dever e direito constitucional

De acordo com o economista e advogado Jaques Fernando Reolon, a Constituição Federal, nos arts. 196 e 197, dispõe que a saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação. Ainda, dispõe que são de relevância pública as ações e serviços de saúde, cabendo ao Poder Público dispor sobre sua regulamentação, fiscalização e controle, devendo sua execução ser feita diretamente ou através de terceiros e, também, por pessoa física ou jurídica de direito privado.

Em seu art. 5º, a Constituição também estabelece que a casa é asilo inviolável do indivíduo, em exceções no caso de consentimento do morador, de flagrante delito, de desastre, para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial. O problema é que o acesso a casa do indivíduo e a locais privados comerciais deve ser fundamentada pelo interesse público, mas respeitada a sua liberdade individual”, explica Jaques Fernando Reolon.

O advogado esclarece que, ainda de acordo com a Constituição, ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei. E, conforme a Lei nº 6259/1975, a ação de vigilância epidemiológica compreende as informações, investigações e levantamentos necessários à programação e à avaliação das medidas de controle de doenças e de situações de agravos à saúde.

“Dessa forma, é preciso comprovação mínima de que no local há potencialidade de criação ou de ser foco de agentes transmissores das referidas doenças”, conclui Jaques Fernando Reolon

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

3 comentários em “Analise de Jaques Reolon sobre o direito ao asilo inviolável

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *