TCU anula pregão para aquisição de equipamentos para UPAs

O Tribunal de Contas da União – TCU anulou o pregão realizado pelo Departamento de Logística em Saúde do Ministério da Saúde – Dlog/MS, que tinha o objetivo de registro de preços para aquisição de equipamentos de medição de oxigênio no sangue de pacientes, a fim de aparelhar Unidades de Pronto Atendimento – UPAs. Segundo a empresa que questionou o procedimento, havia o pedido de registro de preço de 1.804 equipamentos e exigiu-se tecnologia de fabricantes específicos, sem apresentar laudo, parecer ou respaldo técnico.

A empresa que fez a reclamação alega que o termo de referência privilegiou características exclusivistas e não proporcionou a ampla concorrência, pois condicionou o atendimento do monitor a determinadas tecnologias que possuem marca registrada de somente duas fabricantes.

Desse modo, para o TCU, não foi possível afirmar que houve direcionamento da licitação, porque três das empresas classificadas teriam produtos que poderiam atender ao objeto do pregão. No entanto, o tribunal persistiu na irregularidade sobre a exigência de marca específica e afirmou que o Dlog/MS deveria ter observado o princípio da impessoalidade, com a demonstração de razões quanto à adoção de marca específica em prol da satisfação do interesse da administração. Ainda, o TCU pediu que se faça menção a uma marca de referência no ato convocatório e como parâmetro de qualidade do objeto, devendo ser acrescentadas expressões do tipo “ou equivalente” e “ou de melhor qualidade”.

Registro de Preços

De acordo com o advogado e professor de Direito Jorge Ulisses Jacoby Fernandes, o Sistema de Registro de Preços – SRP é um procedimento administrativo licitatório propriamente dito. Como tal, é caracterizado como uma sequência de atos administrativos cujos moldes peculiares o tornam próprio aos casos de eventual contratação de serviços e/ou aquisição de bens de necessidade frequente e cotidiana da Administração Pública em todas as suas esferas.

O SRP, portanto, também segue os princípios da licitação, devendo atender à impessoalidade e à ampla concorrência durante o procedimento. Registre-se que o art. 15 da Lei nº 8.666/1993 recomenda que, sempre que possível, as compras efetuadas pela Administração Pública deverão ser processadas por meio do SRP, com regulamentação definida em decreto”, ressalta Jacoby Fernandes.

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *