Secretaria de Portos define limitação de espaço físico em águas públicas

Por meio da Portaria nº 106, a Secretaria de Portos definiu as diretrizes para a delimitação de espaço físico em águas públicas para instalações portuárias autorizadas ou em processo de autorização, fora da área do porto organizado. Dessa forma, segundo o normativo, considera-se como limite de espaço físico em águas públicas a ser cedido para atividades portuárias, as retas paralelas projetadas perpendicularmente à linha imaginária formada pelos pontos extremos do terreno correspondentes à frente molhada.

O advogado do escritório Jacoby Fernandes & Reolon Advogados Associados, especialista em Portos, Victor Sholze, explica que o terminal portuário poderá extrapolar esse limite desde que faça um requerimento justificado, nos termos da legislação vigente.

“Além disso, a Administração Pública promoverá chamamento público para identificar eventuais interessados na área objeto de uso para fins portuários”, afirma.

Em casos de interferência de qualquer natureza que não possibilitem a utilização do espaço físico em águas públicas não será vedada a utilização de outras superfícies de espelho d’água, desde que não sejam afetados potenciais interessados.

O especialista ressalta que a atividade portuária tem se destacado nas ações do Governo Federal, principalmente, pelo seu potencial de proporcionar o desenvolvimento do país e a melhoria do comércio internacional.

“A prestação de serviços nessa área é precedida de autorização, concessão ou permissão da Administração Pública e é realizada pela utilização de espaços físicos aquáticos e terrestres”, observa Victor Sholze, que está concluindo um livro sobre legislação portuária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.