TCU identifica desafios para implementação de hidrovias

De acordo com o Relatório Sistêmico de Fiscalização do Setor Hidroviário, feito pelo Tribunal de Contas da União – TCU, existe uma série de desafios que limitam o desenvolvimento das hidrovias no Brasil. Um deles é a dificuldade que o Ministério dos Transportes e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – Dnit, responsáveis pela política pública de Transporte Hidroviário Interior – THI, encontram para executar o orçamento anual aprovado para o setor.

O transporte hidroviário é o modo mais econômico para deslocar grandes volumes a grandes distâncias. Apesar disso, dos 63 mil km de rios e lagos do Brasil, apenas 22 mil km são economicamente navegados. De 2012 a 2015, foi autorizado o investimento de mais de R$ 1,5 bilhão para administração, implantação, melhoramentos e manutenção de hidrovias, mas apenas 60% foram empenhados.

Outras questões apontadas pelo TCU foram as deficiências na capacidade organizacional e insuficiência de recursos financeiros para a área aquaviária do Dnit; fragilidades nos indicadores e critérios de priorização previstos na política de transporte hidroviário interior; deficiências na articulação entre os envolvidos com a política pública de THI e limitações nos mecanismos institucionalizados de participação referentes ao planejamento, execução e monitoramento da política pública do setor.

Necessidade de melhorias no setor aquaviário

Diante das constatações, o TCU recomendou ao Dnit que revise o planejamento estratégico e o plano anual de capacitação dos servidores de modo a contemplar a área aquaviária. Ainda, foi recomendado o estudo de alocação ideal/necessária de servidores dentro do Dnit para prover a área aquaviária das condições necessárias ao desenvolvimento do THI. Ao Ministério dos Transportes foi recomendado o aperfeiçoamento dos critérios de priorização de investimentos; a participação ativa dos comitês de Bacia, especialmente nas deliberações sobre o gerenciamento dos níveis dos reservatórios; e a compatibilização das propostas orçamentárias futuras, elevando os investimentos em hidrovias.

Conforme o advogado e professor de Direito Jorge Ulisses Jacoby Fernandes, assim como o sistema ferroviário, as hidrovias são apontadas como uma das modalidades de menor custo para transporte de cargas e passageiros. Em um país de tamanho continental como o Brasil, investir em infraestrutura nesse setor é garantia de bons resultados.

“Se houver interligação entre as hidrovias com os portos brasileiros, cria-se uma malha integrada de distribuição logística que vai beneficiar diversos setores produtivos, em especial no escoamento da produção agrícola da região central do País”, observa Jacoby Fernandes.

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *