Ministério da Indústria institui apuração de responsabilidade para fornecedor

O Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, por meio da Portaria nº 334/2016, instituiu o rito processual administrativo de apuração de responsabilidade de eventuais infrações praticadas por fornecedores. Assim, o fornecedor que praticar ato contrário à legislação se submeterá ao processo administrativo, o qual conterá os elementos probatórios ou indiciários para aplicação de sanção.

Atualmente, a Lei nº 8.666/1993 e a Lei nº 10.520/2002 definem as infrações a serem aplicadas aos que agem em desconformidade com o interesse público: advertência, multa, suspensão temporária de participação em licitação, impedimento de contratar com a Administração e de licitar e contratar com a União. As penalidades de advertência e multa são de competência do coordenador-geral de recursos logísticos. Já o subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração é responsável por aplicar a penalidade de suspensão temporária de participar de licitação. Essas sanções terão natureza pecuniária, ou seja, pagamento em dinheiro, ou consistirão em obrigação de fazer ou não fazer, assegurado sempre o direito de defesa do contratado ou licitante.

Desse modo, o Ministério definiu o modelo de apuração de responsabilidade em várias fases: preliminar; notificação e defesa prévia; saneamento e aplicação da sanção; intimação da decisão e apresentação de recurso; análise do recurso e decisão. Ressalvou-se na norma que os processos administrativos de que resultem sanções poderão ser revistos, a qualquer tempo, a pedido ou de ofício, quando surgirem fatos novos ou circunstâncias relevantes suscetíveis de justificar a inadequação da sanção aplicada.

Outro ponto importante, de acordo com o advogado e professor de Direito Jorge Ulisses Jacoby Fernandes, é a determinação de que essa portaria esteja obrigatoriamente expressa em editais e em termos de contratos, em complementação às demais leis e atos normativos aplicáveis, inclusive nas hipóteses de dispensa e inexigibilidade de licitação.

“Para aqueles que elaboram os recursos, foi ressalvado que os prazos só iniciam e vencem em dia de expediente no órgão. A importância desse dispositivo é enorme, já que o prazo para interposição de recursos é muito exíguo”, explica.

Na Lei de Licitações e Contratos foi definido o prazo de cinco dias úteis e nesse mesmo sentido é a Lei de Processo Administrativo. Assim, se um prazo iniciasse na quinta-feira e não paralisasse nos dias sem expediente, causaria um prejuízo enorme à defesa do licitante ou do contratado.

Objetivo é garantir o interesse público

O professor esclarece que o Direito Sancionador é intimamente ligado ao Direito Administrativo que tem por objetivo o interesse público. No Direito Sancionador, todavia, é preciso observar um diferencial, qual seja, a necessidade de garantir àqueles que serão punidos os seus direitos e garantias constitucionais.

“Ligado a um microssistema jurídico ainda pouco regulamentado, esse ramo do Direito vem, eventualmente, aplicando penalizações que destoam do ordenamento jurídico e do razoável”, observa.

As penalizações devem ser realizadas por meio de processo administrativo, que deve obedecer ao princípio do devido processo legal. Esse preceito impõe o cumprimento de um rito predefinido como condição de legitimidade, bem como a aplicação de uma decisão justa e proporcional.

“Note que o princípio do devido processo legal é altamente ligado aos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade, que devem ser a base daqueles que têm o poder de decidir”, ressalta Jacoby.

Ademais, as sanções devem respeitar os princípios da ampla defesa e do contraditório, que impõem que as decisões administrativas devem ser proferidas após a audição dos interessados, os quais utilizarão de todos os meios de provas admitidos em Direito para defenderem seus interesses perante a Administração Pública.

“Dessa forma, a obediência a esses princípios requer a elaboração de uma norma que discipline o rito a ser seguido e que permita aos agentes públicos das repartições contar com um guia no momento em que estiverem diante de condutas ilegais”, conclui Jacoby Fernandes.

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *