Congresso Nacional recebe projeto de recuperação fiscal

O Congresso Nacional recebeu hoje do Governo Federal o projeto de lei que institui o regime de recuperação fiscal dos estados e do Distrito Federal. Pela proposta anteriormente apresentada, o estado que firmasse um acordo de recuperação fiscal com o governo seria beneficiado com a suspensão por 36 meses do pagamento das dívidas com a União. No despacho de ontem, 22, no entanto, o governo não deu detalhes sobre o projeto.

O Rio de Janeiro, que já fechou um acordo individual com o Governo Federal, chegou a pedir ao Supremo Tribunal Federal – STF para antecipar os efeitos desse entendimento – que prevê um duro ajuste fiscal, com aumento de receitas e cortes de gastos, em troca da suspensão da dívida estadual com a União e o recebimento de empréstimos para colocar em dia os salários dos servidores.

A Advocacia-Geral da União – AGU e a Secretaria do Tesouro Nacional, entretanto, manifestaram-se contra a antecipação dos efeitos do acordo. A AGU argumentou que a antecipação afrontaria não somente vedações da Constituição Federal e da Lei de Responsabilidade Fiscal, como também os princípios da legalidade e da separação dos poderes.

Dificuldade financeira

Diante disso, o ministro do Supremo, Luiz Fux, relator do pedido de liminar do Rio de Janeiro, para antecipar os efeitos do entendimento com a União, solicitou que tanto a União quanto o estado tentem aprovar os projetos de recuperação fiscal no Congresso Nacional e na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Na opinião do advogado e professor de Direito Jorge Ulisses Jacoby Fernandes, a recuperação fiscal é considerada de grande importância para os estados em dificuldade financeira que estão com problemas para honrar o pagamento dos salários dos servidores e já manifestaram interesse em aderir ao programa. Um exemplo seria o Rio de Janeiro e o Rio Grande do Sul, que já declararam estado de calamidade.

“Minas Gerais também decretou estado de calamidade financeira. Portanto, espera-se uma tramitação rápida no Congresso, já que, com pendências, os estados ficam sem condições de tomar empréstimos ou de receber recursos de determinadas fontes”, explica Jacoby Fernandes.

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *