TCU afirma que edital de licitação deve prever cálculo de reajuste

Em decisão recente, por meio do Acórdão nº 140/2017 – Plenário, o Tribunal de Contas da União – TCU entendeu que o edital de licitação deve prever a base de cálculo do reajuste dos contratos. Assim, quando o gestor estiver diante da situação que concede ao contratado o reajuste, será preciso observar a vinculação ao edital e ao contrato. Com isso, o TCU deu ciência à Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário da Presidência da República que tal conduta estava em desacordo com o disposto no art. 3º, art. 38, parágrafo único, e art. 40, inciso XI, da Lei nº 8.666/1993.

A constatação de irregularidade adveio de uma representação na qual foi pleiteada a suspensão cautelar do chamamento público até decisão final de mérito, já que havia uma série de irregularidades no chamamento. Os agentes públicos apresentaram, em sua defesa, a sugestão para revogação desse chamamento. Os ministros, por sua vez, determinaram que houvesse o acompanhamento de novo edital de modo a verificar se houve o saneamento das falhas ou irregularidades apontadas no acórdão.

O advogado e professor de Direito Jorge Ulisses Jacoby Fernandes explica que no Brasil, a Constituição Federal assegurou ao contratado a manutenção das condições efetivas da proposta, e a Medida Provisória nº 1.820, de 05 de abril de 1999, estabeleceu que são nulas de pleno direito as “estipulações usurárias” estabelecidas em situação de vulnerabilidade da parte, garantindo-se ao contratado o restabelecimento do equilíbrio da relação contratual. Segundo Jacoby, isso é válido para qualquer contrato que não seja disciplinado pelas legislações comercial e de defesa do consumidor, devendo a parte requerer a adequação do contrato ao Judiciário.

Em particular, o ordenamento jurídico vem consagrando, por meio de uma série de instrumentos normativos, a garantia das condições efetivas da proposta, conforme a Constituição Federal, art. 37, XXI”, ensina.

Determinação na Constituição

Conforme a Constituição, o edital deve prever critério de reajuste, tendo a data prevista para a apresentação da proposta ou do orçamento a que esta se referir. Já o contrato, precedido ou não de licitação, deve assegurar a manutenção das cláusulas econômico-financeiras e sua inalterabilidade por ato unilateral da Administração. Caso seja necessário, o contrato pode ser alterado para reequilíbrio econômico-financeiro.

A CF determina que a alteração da carga tributária obriga a revisão do contrato quando houver comprovada repercussão no preço; a legislação, que estabilizou o poder aquisitivo da moeda nacional, definiu para o período de reajuste a data da apresentação da proposta ou do orçamento a que esta se referir; e o pagamento deve ser realizado seguindo rigorosa ordem cronológica de sua exigibilidade – art. 5º –, sob pena de tipificar crime – art. 92.

Essa breve relação de cautelas e direitos que possuem aqueles que são contratados sem licitação é exposta para revelar, ainda que singelamente, a força do Direito na busca do equilíbrio das relações jurídicas, notadamente quando subjacentes ou superiores interesses da coletividade, consistentes em uma Administração Pública eficiente”, observa Jacoby Fernandes.

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *