Soldados anti-caça preservam vida de último rinoceronte macho branco do norte no mundo

Existem duas subespécies de rinoceronte branco: o rinoceronte branco do Sul e o do Norte. Se o rinoceronte branco do Sul ainda conta mais de 11 000 indivíduos, existem apenas cinco rinocerontes brancos do norte. Desses restou apenas um rinoceronte macho vivendo há cerca de 200 quilômetros ao norte de Nairobi, no Quênia, no parque preservado de Ol Pejeta. Batizado como Sudão, o rinoceronte macho fica sob vigilância contínua de uma patrulha de soldados anti-caça.

Sudão não fica isolado. Ele tem como companhia duas fêmeas rinocerontes brancos do Norte. Essa subespécie está à beira da extinção, sofre muito desde que a caça furtiva aumentou na década de 1960. De acordo com o jornal inglês The Guardian, um chifre de rinoceronte pode valer mais de US$ 75.000 (aproximadamente R$ 240 mil) por quilo, deixando-os sob constante ameaça.

Então, qual é a solução para preservar essa subespécie de rinoceronte branco?

Em 2014, dois machos morreram e Sudão tornou-se o ultimo sobrevivente. Se existe um futuro da subespécie, ele se encontra com esse macho. No entanto, oúltimo rinoceronte de sexo masculino no planeta dessa subespécie não pode mais procriar. Por isso, uma equipe de ambientalistas e cientistas está experimentando técnicas de fertilização artificial em uma tentativa desesperada de salvar a espécie.

Amostras de células do Sudão serão coletadas e armazenadas, enquanto os cientistas estarão fazendo testes apropriados para depois tentar usar uma fêmea rinoceronte branco do sul como procriadora.

Esperando isso, cuidadores e unidades de patrulha implantados ao redor do parque estão fazendo o melhor para combater a caça furtiva dos rinocerontes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • 11/07/2015 a 17:49
    Permalink

    Muito bom! Eu estava no google procurando um artigo que pudesse me ajudar e o seu realmente me surpreendeu!
    Já salvei nos favoritos, muito obrigado.

    Responder

Pierre Pichoff

Escritor, colabora para diversos veículos de comunicação no Brasil, como O Estado do Maranhão e o Matheus Leitão News.