Michel Temer tenta diminuir crise em Nova York

Em Nova York, o vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP) afirmou que a ida do presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para a oposição gera uma “crisezinha política”, mas não uma “instabilidade institucional”. Ele tentou minimizar as críticas tanto do deputado quanto do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ao governo.

Após palestra, o vice disse que o eventual afastamento de Cunha da presidência da Câmara é “uma decisão do Congresso”. “Quanto menos nós tivermos embaraços institucionais, melhor para o país”, acrescentou.

Ele preferiu não comentar a delação do consultor Júlio Camargo à Operação Lava Jato, em que afirmou ter enviado US$ 5 milhões em propina a Cunha. “Não é prudente”, afirmou o vice.
Após a divulgação da delação, o presidente da Câmara negou as acusações e, no dia seguinte, anunciou sua saída oficial da base do governo e a ida para a oposição. Cunha acusou o governo de ter orquestrado uma campanha contra ele e disse que há um “bando de aloprados” no Planalto que precisariam ser investigados.

Carla Machado

Carla Machado

Jornalista com experiência em assessoria de imprensa, onde trabalhou na produção de conteúdo interno e externo e no atendimento à imprensa, e em jornal, revista e site, nos quais foi repórter. No dia 22 de maio de 2014, recebeu o prêmio Paulo Octavio de Jornalismo, pela categoria Melhor Série de Reportagem, com a série #Brasíliaquerandar, do Jornal de Brasília.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *