Michel Temer tenta diminuir crise em Nova York

Em Nova York, o vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP) afirmou que a ida do presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para a oposição gera uma “crisezinha política”, mas não uma “instabilidade institucional”. Ele tentou minimizar as críticas tanto do deputado quanto do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ao governo.

Após palestra, o vice disse que o eventual afastamento de Cunha da presidência da Câmara é “uma decisão do Congresso”. “Quanto menos nós tivermos embaraços institucionais, melhor para o país”, acrescentou.

Ele preferiu não comentar a delação do consultor Júlio Camargo à Operação Lava Jato, em que afirmou ter enviado US$ 5 milhões em propina a Cunha. “Não é prudente”, afirmou o vice.
Após a divulgação da delação, o presidente da Câmara negou as acusações e, no dia seguinte, anunciou sua saída oficial da base do governo e a ida para a oposição. Cunha acusou o governo de ter orquestrado uma campanha contra ele e disse que há um “bando de aloprados” no Planalto que precisariam ser investigados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carla Machado

Carla Machado

Jornalista com experiência em assessoria de imprensa, onde trabalhou na produção de conteúdo interno e externo e no atendimento à imprensa, e em jornal, revista e site, nos quais foi repórter. No dia 22 de maio de 2014, recebeu o prêmio Paulo Octavio de Jornalismo, pela categoria Melhor Série de Reportagem, com a série #Brasíliaquerandar, do Jornal de Brasília.