Na China, 4 mil morrem por dia devido à poluição

Os estragos do “Airpocalypse”, apelido dado pela situação mais que crítica da poluição do ar na China, está aumentando em ritmo acelerado. Os números podem assustar, pois a poluição do ar por partículas PM2.5 multa (aqueles com um diâmetro inferior a 2,5 micrômetros, que se hospedam no fundo dos pulmões) mata 1,6 milhões de pessoas a cada ano no Reino Médio, ou seja, mais de 4 mil por dia.

Estas são as conclusões de um estudo realizado pela Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA), que será publicado na revista científica PLoS ONE desta semana.

Uma pesquisa em tempo real num período de 4 meses

Este estudo não é o primeiro a revelar a extensão dos danos de poluição atmosférica chineses. Em 2012, um artigo publicado na revista médica britânica The Lancet já tinha calculado que 1,2 milhões de pessoas morrem prematuramente por causa da poluição do ar no país. Desta vez, a pesquisa da Universidade de Califórnia utilizou dados recentes de monitoramento de qualidade do ar, dados pelas autoridades chinesas.

Os Cientistas dos EUA Richard Muller e Robert Rohde analisaram quatro meses de dados em tempo real, registrado a cada hora em 1500 estações de pesquisa no país. Quatro poluentes são medidos: partículas finas, dióxido de enxofre, dióxido de azota e ozônio.

Em seguida, eles usaram um modelo da Organização Mundial de Saúde (OMS) para traduzir estes níveis de poluição nas taxas de mortalidade. As mortes estão relacionadas a cinco doenças: acidente vascular cerebral, doença arterial coronariana, câncer de pulmão, doença pulmonar crônica e infecções respiratórias inferior.

Resultado: entre o 5 de abril e 5 de agosto de 2014, 92% da população tinha sofrido do ar “insalubre” (para os padrões americanos) durante pelo menos, 120 horas, e 38% dentro eles tinham sido expostos cada dia neste período .

A exposição média para as PM2,5 chinês foi de 52 microgramas por metro cúbico de ar (ug / m3), enquanto que os valores máximos fornecidos pela OMS é de 10 g / m3 média anual.

“A cada hora de exposição, minha expectativa de vida estava sendo reduzida de 20 minutos”

“A poluição do ar é o pior desastre ambiental no mundo de hoje”, alerta Richard Muller, em comunicado feito na Universidade da Califórnia em Berkeley, lembrando que a poluição do ar causou 7 milhões de mortes no mundo em 2012 de acordo com OMS.

“Durante a minha última visita a Pequim, a poluição atingiu um nível perigoso. A cada hora de exposição, a minha expectativa de vida estava sendo reduzida de 20 minuto, como se cada homem, mulher e criança fumasse 1,5 de cigarro a cada hora.”

A poluição é um perigo para toda a China. Pois se as principais áreas afetadas estão localizadas ao leste do país (principalmente o corredor entre Beijing, nordeste, sudeste e Shanghai), o centro não é poupado por causa do movimento atmosférico dos poluentes. O leste do país, particularmente as cidades grandes, é responsável pela maioria das emissões.

Quem carrega a culpa ?

A poluição dos veículos que expulsa o dióxido de azoto e as partículas finas, para motores diesel. Mas a maior poluição vem do aquecimento durante o inverno, da construção e da indústria, que opera em grande parte por carvão.

A China tem 64% de sua energia com fonte deste minério, o combustível mais poluente, tornando-se o maior emissor mundial de gases do efeito estufa.

Envolvida em uma “guerra contra a poluição”, a China o espera fechar centenas de usinas de carvão até 2017, em favor de gás e energias renováveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pierre Pichoff

Escritor, colabora para diversos veículos de comunicação no Brasil, como O Estado do Maranhão e o Matheus Leitão News.