Presidente do DEM pode ser investigado pelo STF

A Procuradoria-Geral da República (PGR) enviou pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar o presidente nacional do DEM, o senador José Agripino Maia (RN). Há suspeitas de que o parlamentar tenha cometido crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, segundo fontes ligadas às investigações.

Para a Procuradoria, o senador é suspeito de receber propina junto com executivos da construtora OAS, com valores desviados das obras de Arena das Dunas, estádio no Rio Grande do Norte. O caso, no entanto, não teria ligação com a Lava Jato.
O pedido de abertura de inquérito deve ser enviado à presidência do Supremo para ser redistribuído. O caso é mantido oculto no sistema do Tribunal.

Arena das Dunas

O estádio do Rio Grande do Norte foi colocado à venda em março deste ano pela OAS, responsável pela obra. A ação fez parte de um pacote da construtora para evitar prejuízos junto aos credores. Com dívida de R$ 8 bilhões, a empresa enfrenta dificuldades de crédito no mercado desde que foi vinculada ao esquema de corrupção na Petrobras investigado pela Operação Lava Jato.
O custo total do estádio foi de R$ 423 milhões, erguido por meio de uma parceira público-privada. Desse total, R$ 100 milhões foram pagos pela OAS; o restante, pelo Governo do Rio Grande do Norte por meio do BNDES.

Senador se defende

Em sua defesa, senador disse que “a acusação é absurda, inverídica e descabida. Se ela existe, eu vou me colocar à disposição do judiciário para prestar as informações necessárias.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carla Machado

Carla Machado

Jornalista com experiência em assessoria de imprensa, onde trabalhou na produção de conteúdo interno e externo e no atendimento à imprensa, e em jornal, revista e site, nos quais foi repórter. No dia 22 de maio de 2014, recebeu o prêmio Paulo Octavio de Jornalismo, pela categoria Melhor Série de Reportagem, com a série #Brasíliaquerandar, do Jornal de Brasília.