Previdência do DF concede aposentadoria para servidor com deficiência

O Instituto de Previdência dos Servidores do Distrito Federal instituiu instruções para o reconhecimento, pelos Regimes Próprios de Previdência Social da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, do direito dos servidores públicos com deficiência, amparados por ordem concedida em Mandado de Injunção, à aposentadoria com requisitos e critérios diferenciados de que trata o inc. I do § 4º do art. 40 da Constituição Federal.

A Instrução Normativa não será aplicada para:

I – conversão do tempo cumprido pelo servidor com deficiência em tempo de contribuição comum, inclusive para fins de contagem recíproca de tempo de contribuição;

II – reconhecimento de tempo de contribuição exercido na condição de pessoa com deficiência com o objetivo de instruir futuro pedido de aposentadoria voluntária;

III – fundamentar o pagamento de abono de permanência de que trata o § 19 do art. 40 da Constituição Federal;

IV – revisão de benefício de aposentadoria em fruição.

De acordo com o advogado e professor de Direito Jorge Ulisses Jacoby Fernandes, recentemente, ocorreu a edição do Estatuto da Pessoa com Deficiência – Lei nº 13.146/2015, que definiu que pessoa com deficiência é aquela que tem impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em interação com uma ou mais barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas.

É imperioso, pois, que haja a edição da Lei Complementar para que os direitos dos servidores sejam completamente esclarecidos e assegurados, uma vez que essa lacuna normativa gera demasiada judicialização, ocasionando o abarrotamento do Poder Judiciário”, opina Jacoby.

Critérios diferenciados

O professor explica que as pessoas com deficiência podem ter requisitos e critérios diferenciados para a concessão de aposentadoria. Essa diferenciação constitui-se como medida de exceção, prevista no § 4º do inc. I do art. 40 da Constituição Federal. O constituinte determinou que houvesse a edição de lei complementar específica para disciplinar a matéria.

Mais de 27 anos depois da edição da Constituição, o legislador permanece inerte em relação à referida Lei Complementar. Tal fato, inclusive, levou o ministro Celso de Mello a manifestar-se no AgRg no MI nº 1.019/DF, em 2012, que omissões normativas inconstitucionais são práticas governamentais que só fazem revelar o desprezo das instituições oficiais pela autoridade suprema da lei fundamental do Estado”, observa Jacoby Fernandes.

Essa lacuna normativa promove a judicialização da aplicação do Direito. Logo, os servidores públicos procuram o Poder Judiciário para que seja esclarecido como poderão exercer seus direitos diante da omissão estatal. Nesse sentido, o Supremo Tribunal Federal – STF editou a Súmula Vinculante nº 33, que estabelece que ao servidor público será aplicável, no que couber, as regras do regime geral da previdência social.

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *