Comissão do Senado pode votar pela exclusão de precatórios de limite de endividamento

A Comissão de Assuntos Econômicos – CAE do Senado Federal deverá analisar em breve o projeto de lei que facilita o pagamento de precatórios pelos estados e pelo Distrito Federal. O PLS nº 163/2018-Complementar exclui o pagamento de sentenças judiciais do teto de crescimento das despesas correntes anuais dos estados.

A Lei Complementar nº 156/2016 concedeu prazo adicional de 240 meses para o pagamento de dívidas dos estados com a União para ajudar na recuperação fiscal. Os entes federados, por sua vez, devem conter o aumento das despesas. O objetivo do novo projeto é excluir os valores do precatório do cálculo dessa limitação, facilitando a previsão e a conclusão do pagamento.

O texto estava na pauta do Plenário, mas, no dia 21 de maio, os senadores retiraram a urgência, o que fez com que o texto voltasse para a comissão. A intenção era tentar um acordo entre o Ministério da Economia e os estados. A próxima reunião da CAE está marcada para terça-feira, 04 de junho.

Sem sacrifício de investimentos

Assim, de acordo com o advogado e professor de Direito Jorge Ulisses Jacoby Fernandes, a gestão dos precatórios é um tema que atrai bastante a atenção dos servidores e preocupa os gestores, considerando que, com as regras estabelecidas, é muito difícil equilibrar o pagamento desses valores com as demais despesas que o ente público possui. “A proposta, assim, visa garantir que aqueles que possuem créditos a receber do Estado tenham o seu direito satisfeito, sem que isso represente sacrifício investimentos em setores importantes como a saúde e a educação”, afirma.

Conforme o professor, o projeto ainda tem um longo caminho de tramitação, mas pode ser visto como uma iniciativa em busca de uma solução para a questão dos precatórios nos entes subnacionais.

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.