Instituição Fiscal Independente afirma que gastos obrigatórios impedem retomada de investimentos

A Instituição Fiscal Independente – IFI do Senado Federal defende a necessidade de uma reforma sobre a estrutura de despesas obrigatórias do Estado brasileiro. Na edição de junho do Relatório de Acompanhamento Fiscal, a IFI apontou que a pressão exercida por essas despesas, dentro do conjunto do Orçamento, compromete os investimentos públicos.

A manutenção da capacidade do Estado de conduzir políticas públicas nas áreas de saúde, educação e segurança pública, temas muito caros à população, passa por adequar os gastos obrigatórios. É importante repetir exaustivamente que a consolidação fiscal no país passa pela discussão do peso dos gastos obrigatórios no Orçamento público”, diz o relatório.

Devido à crise econômica, a taxa de investimento do país recuou para abaixo da média histórica no primeiro trimestre de 2019. Segundo a IFI, o setor público não compensa a retração do setor privado porque promove sucessivos apertos sobre as verbas discricionárias, a fim de cumprir regras fiscais. Essa política, que se prolonga desde 2014, já dá sinais de esgotamento, alerta a IFI.

O estudo destaca que, sem uma agenda de reformas que modifique os gastos obrigatórios, a trajetória de “compressão” dos investimentos públicos continuará. Despesas como a Previdência Social e a folha salarial do funcionalismo representarão fatias cada vez maiores do Orçamento.

Alívio na crise

Segundo o advogado Jaques Reolon, nos primeiros três meses deste ano, a taxa de investimento do país caiu de 15,8% para 15,5% do PIB, sendo que a média registrada entre 1997 e 2013 foi de 18,6%. “Além dos contingenciamentos no setor público, a retração dos investimentos tem a ver com a inatividade da indústria e da incerteza sobre o andamento das reformas que recomporiam o quadro fiscal, a Reforma da Previdência, por exemplo. O cenário também tem impacto sobre o mercado de trabalho e o cenário de crise parece que está se prolongando. Esperamos, no entanto, que as medidas que o governo tem anunciado e ainda anunciará proporcionem um alívio na crise financeira”, afirma.

Conforme Reolon, para o país sair dessa situação, é necessário um esforço conjunto. “A solução para a crise, no entanto, não passa pelo aumento de impostos nem por mero corte temporário de gastos, deve haver um engajamento mais inteligente”, observa Jaques Reolon.

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *