Medidas provisórias possuem novo rito de tramitação

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou mudanças no rito de tramitação das medidas provisórias – Proposta de Emenda Constitucional – PEC nº 70/2011. O texto estabelece prazos para votação em cada Casa, proíbe os “jabutis” e limita o trancamento da pauta. Como o texto original foi alterado, a proposta voltará para o Senado Federal.

Os deputados aprovaram um texto, na forma de uma emenda, apresentada em Plenário. A intenção é atacar a principal queixa do Plenário da Câmara e do Senado: que as medidas provisórias demoram nas comissões mistas e chegam para votação sem que haja tempo para analisar o texto. Na regra atual, uma medida provisória tem vigência de 120 dias úteis, sem prazos específicos para cada Casa.

O relator da proposta, o deputado Walter Alves (MDB/RN) destacou a definição de um calendário mínimo para cada etapa. “A partir de agora, a comissão mista terá 40 dias para votar assim que a MP for editada; depois serão 40 dias na Câmara dos Deputados; 30 dias no Senado Federal; e, se houver emenda, a Câmara voltará a analisar a matéria”, explicou.

Dessa forma, o texto aprovado mantém as comissões mistas de análise das medidas provisórias, mas estabelece prazos para todas as fases de tramitação. Se a etapa não for cumprida no prazo determinado, a MP perderá a eficácia. Os prazos serão contados a partir do segundo dia útil da fase anterior – edição pelo Executivo, aprovação na comissão mista, aprovação no Plenário da Câmara e aprovação no Senado. Serão suspensos nos períodos de recesso, como ocorre atualmente.

Fica mantida a determinação de que, no caso de perda de eficácia da medida provisória, o Congresso Nacional deverá disciplinar, por decreto legislativo, as relações jurídicas no prazo em que a MP surtiu efeitos. A proposta também proíbe que uma medida provisória rejeitada ou não votada seja reeditada no mesmo ano legislativo.

Rito anterior

Conforme explica o advogado e professor de Direito Jorge Ulisses Jacoby Fernandes, atualmente, quando chega ao Congresso Nacional, é criada uma comissão mista, formada por deputados e senadores, para aprovar um parecer sobre a MP. “Se aprovado, o texto segue para o Plenário da Câmara dos Deputados e, em seguida, para o Plenário do Senado Federal. Se a Câmara ou o Senado rejeitar ou se ela perder a eficácia, os parlamentares têm que editar um decreto legislativo para disciplinar os efeitos jurídicos gerados durante sua vigência”, afirma.

Ainda segundo o professor, se o conteúdo de uma Medida Provisória for alterado, ela passa a tramitar como projeto de lei de conversão. “Depois de aprovada na Câmara e no Senado, a MP é enviada à Presidência da República para sanção. O presidente tem a prerrogativa de vetar o texto, parcial ou integralmente, caso discorde de eventuais alterações feitas no Congresso. É vedada a reedição, na mesma sessão legislativa, de MP que tenha sido rejeitada ou que tenha perdido sua eficácia por decurso de prazo”, esclarece Jacoby Fernandes.

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *