Senadores aprovam projeto que moderniza Lei de Licitações

O Plenário do Senado Federal aprovou o projeto de lei que altera a Lei de Licitações e Contratos, a Lei nº 8.666/1993. O Projeto de Lei do Senado – PLS nº 559/2013, aprovado na forma de substitutivo apresentado pelo senador Fernando Bezerra (PSB/PE), estabelece um novo marco legal para as compras públicas brasileiras. A legislação traz diversas inovações e consolida aspectos dos demais normativos já vigentes, como a Lei do Pregão, o Regime Diferenciado de Contratações – RDC e aspectos jurisprudenciais.

Entre as principais inovações, destaca-se a inversão de fases – proveniente do pregão –, a contratação do seguro para obras, a unificação dos projetos básico e executivo, a responsabilização solidária da empresa ou prestador em caso de lesão ao erário, criminaliza a omissão de dados e institui a figura do Sistema de Registro de Compras Permanente – SRPP. O texto torna o processo licitatório mais ágil e institui mecanismos que fortalecem o combate à corrupção, além de oferecer mais liberdade para o gestor na hora de contratar.

Projeto segue para Câmara

O presidente da Casa, senador Renan Calheiros, disse que a votação era uma das principais deste ano legislativo e defendeu a modernização da atual Lei nº 8.666/1993, que já ficou defasada em razão da evolução tecnológica e social. O projeto segue agora para a Câmara dos Deputados.

De acordo com o advogado e professor de Direito Jorge Ulisses Jacoby Fernandes, a evolução do PLS nº 559, a partir do substitutivo apresentado pelo senador Fernando Bezerra, é notável.

“Há de se destacar o trabalho importante do senador Antônio Anastasia, que apresentou contribuições fundamentais, como a emenda que obriga os tribunais de contas a definirem objetivamente as causas para suspensão de licitações e contratos, justificando a garantia de atendimento ao interesse público. No geral, as paralisações geram prejuízos para o erário e para o contribuinte, que fica sem a conclusão da obra ou a execução do serviço por anos”, ressalta.

Para o professor, alguns pontos fundamentais, no entanto, ficaram de fora, como o direito do servidor de se qualificar previamente ao ingresso em comissões de licitação.

“O PLS dará mais liberdade para planejamento e inovações, mas a falta de capacitação pode ser um empecilho para o servidor despreparado. Essa diferença fica mais evidente em municípios menores, que costumam ter menos ofertas de treinamento para seus servidores”, observa Jacoby Fernandes.

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *