Empresas de Cunha e mulher são denunciadas pela PGR

Uma das empresas do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e de sua mulher, a jornalista Claudia Cruz, na área de comunicação, teria feito operações financeiras suspeitas e sem funcionários registrados desde 2002.

A informação foi apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ao Supremo Tribunal Federal (STF), no processo contra o presidente da Câmara.

Segundo a PGR, a C3 Produções Jornalísticas tem Cunha como sócio, e a participação dele no negócio equivale a R$ 840 mil — mais da metade de todo o patrimônio declarado pelo parlamentar à Justiça Eleitoral em 2014. 

A companhia foi objeto de três comunicações de transações suspeitas do Coaf, com um total de R$ 268 mil entre dezembro de 2013 e novembro de 2014. 

“As comunicações foram motivadas pela realização de operações que, por sua habitualidade, valor e forma configuraram artifício para burla da identificação da origem, do destino, dos responsáveis ou beneficiários finais”, aponta Ministério Público.

A C3 fica no mesmo endereço da firma de Claudia Cruz, a Jesusweb, também sem registro de empregados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.