Congresso deve ainda nesta terça-feira vetos da presidente Dilma

A partir das 11h30 desta terça-feira (6), deputados e senadores devem começar a nova sessão conjunta para analisar vetos da presidente Dilma Rousseff, ou seja, as chamadas “pautas-bomba”. Entre elas, a pauta que nega reajuste em até 78% os salários dos servidores do Judiciário.
Na sessão, os parlamentares votam contra ou a favor dos vetos da presidente. Será o primeiro teste para o governo no Congresso depois de anunciar a reforma ministerial. Com a reforma, a presidente reduziu o número de ministérios (de 39 para 31), mas ampliou a participação do PMDB na administração, que controlava seis ministérios e passou a ter sete.

Entenda

Na semana passada, o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), convocou sessão conjunta, porém Eduardo Cunha marcou sessões consecutivas da Câmara e impediu a realização da sessão do Congresso. Com a atitude, Cunha tentou pressionar para que fosse incluído na pauta um veto da presidente Dilma Rousseff ao projeto da reforma política.

Nesta segunda (5), Cunha disse, no entanto, que não pretende impedir a sessão do Congresso, mas destacou que dificilmente haverá quórum suficiente para a votação no horário marcado.
“Se depender de mim, tem [sessão do Congresso]. Estão insistindo reiteradamente nesse negócio de que a gente não quer que tenha sessão de vetos. Da minha parte, não há problema. Defendo a manutenção desses vetos. […] Só acho que terça, às 11h, é muito cedo para o padrão de presença na Câmara dos Deputados”, salientou o peemedebista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carla Machado

Carla Machado

Jornalista com experiência em assessoria de imprensa, onde trabalhou na produção de conteúdo interno e externo e no atendimento à imprensa, e em jornal, revista e site, nos quais foi repórter. No dia 22 de maio de 2014, recebeu o prêmio Paulo Octavio de Jornalismo, pela categoria Melhor Série de Reportagem, com a série #Brasíliaquerandar, do Jornal de Brasília.