Ultimato pode evitar guerra entre Coreias

As Coréia do Norte e do Sul chegaram a um acordo no segundo torno das negociações, neste domingo (23), depois de uma noite de discussões complicada. As negociações têm como objetivo encontrar uma solução para a crise que colocou os dois países à beira de um conflito armado.

Depois de dez horas de negociações, iniciadas no sábado, os dois partidos se reuniram novamente domingo para “reduzir as diferenças”, disse um porta-voz da presidência sul-coreana, Min Kyung-wook.

O encontro, organizado no vilarejo fronteiriço de Panmunjom, onde foi assinado o cessar-fogo da guerra de 1950-1953, começou pouco antes da expiração do ultimato emitido sexta-feira pelo líder norte-coreano Kim Jong-un . Ele exigiu a cessação dos alto-falantes que foram recentemente colocados a serviço por Seul, para transmitir mensagens de propaganda na fronteira.

Um compromisso difícil

Apesar do ceticismo sobre a execução de suas ameaças de Kim Jong-un, o ultimato aumentou as tensões que atingiram seu nível mais alto desde os anos na fronteira entre as duas Coreias.

O Norte reposicionou unidades de artilharia, enquanto aviões sul-coreanos e da US realizaram exercícios de simulação de bombardeamento. Centenas de civis sul-coreanos que vivem perto da fronteira ou perto de unidades de propaganda militares foram retirados de suas casas para abrigos subterrâneos.

As negociações de Panmunjom foram conduzidas pelo conselheiro de Segurança Nacional da Coreia do Sul, Kim Kwan-jin, e seu homólogo norte-coreano Hwang Pyong-lo, um colaborador próximo de Kim Jong-un. Foram as discussões inter-coreanas no mais alto nível em quase um ano, refletindo a gravidade da situação. Analistas tinham avisado que seria difícil encontrar um compromisso.

Escalada das tensões

Seul tinha recusado a desligar o seu alto-falante até que Pyongyang pediu desculpas pela explosão de uma mina terrestre que mutilou dois soldados sul-coreanos durante uma patrulha na fronteira no início de agosto. Para responder no incidente, a Coréia do Sul decidiu retomar sua guerra de propaganda, prática que os dois países tinham cessado em 2004 por mútuo acordo.

Esta iniciativa despertou a raiva de Pyongyang, que nega qualquer envolvimento nas explosões.

A situação tive o nível mais alto na quinta-feira com uma troca excepcional de fogo de artilharia entre os dois inimigos.

Tecnicamente, os dois países estão em conflito há 65 anos, pois a Guerra da Coréia (1950-1953) terminou com um simples cessar-fogo sem que fosse formalizado um acordo de paz. A atual situação é acompanhada de perto pela comunidade internacional.

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon pediu na sexta-feira que as Coréias acabassem com a escalada das tensões, enquanto os Estados Unidos, que têm cerca de 30 mil soldados na Coréia do Sul, pediu para Pyongyang se acalmar.

A China, principal aliado da Coréia do Norte, também pediu calma, ansiosa para evitar um escândalo quando o país tenta atrair líderes mundiais em Pequim no início de setembro para participar das comemorações da derrota japonesa de 1945.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Avatar

Pierre Pichoff

Escritor, colabora para diversos veículos de comunicação no Brasil, como O Estado do Maranhão e o Matheus Leitão News.