Franco-atiradores matam policiais e causam pânico durante protesto nos EUA

Um dos atiradores que matou policiais durante um protesto em Dallas, na noite desta quinta-feira (7) no Texas, contou à polícia que estava irritado com agentes assassinando negros e que queria acabar com a vida de pessoas brancas, especialmente agentes de segurança.

Ele atirou justamente quando ocorria o protesto para criticar a violência policial contra negros, após dois homens serem mortos nesta semana.

Segundo o chefe de polícia, David Brown, o homem afirmou que estava agindo sozinho e que não tinha ligação com qualquer grupo radical. Ele foi morto depois de um cerco policial – a imprensa americana o identificou como Micah Johnson, de 25 anos.

O resultado da ação foram cinco agentes foram mortos e sete feridos por franco-atiradores durante o protesto da noite desta quinta, que ocorria de forma pacífica até começarem os tiros.

A manifestação ocorreu após a polícia americana matar Philando Catile e Alton Sterling – os dois negros. Filmadas e postadas na internet, as duas mortes provocaram comoção, revolta e protestos pelo país.

Momentos de terror

Os disparos começaram por volta das 20h45 do horário local (22h45 no horário de Brasília) enquanto as pessoas ainda estavam protestando. A polícia afirmou que ocorreu uma emboscada cuidadosamente preparada e executada.

Em entrevista dada mais cedo, o chefe de polícia havia contou que os suspeitos haviam trabalhado juntos, usando rifles para atacar os policiais. “Dois franco-atiradores dispararam do alto e atingiram os agentes pelas costas”, disse ele.

“Acreditamos que esses suspeitos estavam posicionados de forma a ter um bom ângulo desses policiais de duas posições elevadas diferentes… e planejavam ferir e matar quantos fossem possíveis”, afirmou Brown.

O ataque em Dallas foi o que mais matou policiais desde o 11 de Setembro, há 15 anos. 

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *