Baleia Rossi causa inveja em ala do PMDB ligada a Eduardo Cunha

Líder eleito pela bancada do PMDB por duas vezes, o deputado Baleia Rossi (SP) tem provocado inveja em ala do partido ligada a Eduardo Cunha (RJ). Ainda que minoritário, o grupo se sente orfão dos métodos do ex-deputado preso na Operação Lava Jato.

Publicamente é o deputado José Priante (PMDB-PA) que tem se mostrado mais irritado com Baleia Rossi. Apesar de ter sido eleito por cinco mandatos e ser sobrinho do senador Jader Barbalho (PMDB-PA), nunca obteve a confiança dos colegas para alçar posições de destaque no partido ou na Câmara dos Deputados.

Com a saída de Eduardo Cunha de cena, Priante achou que poderia ser líder ou ministro do governo Michel Temer. O presidente, no entanto, resolveu apostar suas fichas em Baleia Rossi, deputado em primeiro mandato com apenas 44 anos que rapidamente uniu a maioria da bancada em torno de si.

Críticas a Baleia Rossi na imprensa

Revoltado, Priante passou a bombardear Baleia pela imprensa desde junho do ano passado. Calou-se por alguns meses após ser nomeado para o decorativo cargo de secretário de Comunicação Social na Câmara. O presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) arrependeu-se da decisão, pois jamais viu a Secom sair em defesa da Casa.

No começo do ano, Priante voltou a querer causar barulho, lançando-se como candidato a 1o vice-presidente da Câmara. Com apoio da ala do Rio de Janeiro ligada a Eduardo Cunha, Priante aproveitou-se do desgaste de Lúcio Vieira Lima (BA) e empatou a disputa dentro da bancada.

Com base na Lei Eleitoral e em decisões anteriores do próprio partido, o vencedor em casos de empate é o mais idoso. Nesse caso, Baleia Rossi teve de declarar Lúcio vencedor. Priante ficou inconformado e falou impropérios contra a decisão do líder.

Menos de 24 horas depois, no entanto, fez um acordo e abriu mão da disputa em favor de Lúcio. Segundo a coluna Painel da Folha, Priante negociou o comando da comissão de Minas e Energia para ficar calado.

O site O Antagonista publicou ontem que ele tem o apoio de Leonardo Quintão (PMDB-MG) na empreitada. O parlamentar mineiro indicou o diretor-geral o Departamento Nacional de Produção Mineral. Juntos, Priante e Quintão, querem controle total no setor que envolve bilhões, ouro e demais pedras preciosas.

O problema é que a indicação ainda não foi definida e, por isso, Priante tem se mostrado irritado com Baleia Rossi. O jovem líder do PMDB conta com o respaldo do presidente Michel Temer e, principalmente, da ala majoritária do partido que se viu livre do jeito autoritário de Eduardo Cunha.

 

Redação Brasil News

Redação Brasil News

Principais noticias politicas e economicas do Brasil, com analises de uma equipe de jornalistas e escritores independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *